Tilápia

Conheça um pouco mais sobre a Tilápia!

Que é um Peixe saudável e uma delícia, muitos aprovam. Mas você conhece essa espécie?

Segundo o Mapeamento do Cenário Mercadológico da Aquicultura no Brasil, realizado pelo Sebrae, a tilápia é hoje a espécie de peixe mais cultivada no Brasil, representando 47% da produção nacional. Seu ganho de peso rápido, 800 gramas em seis meses, fez ela se tornar a queridinha dos piscicultores.

De 2007 a 2011, a produção de tilápia no Brasil saltou de 95 mil toneladas pra 254 mil, sendo a região Nordeste a líder na produção, mas nossa região já está superando isso. No mundo são consumidos 10 quilos/ano de peixe. O Brasil está na casa dos 14 quilos/ano recomendados pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), mas tem espaço a crescer. Por aqui, as proteínas mais consumidas são: carne bovina e de frango, ambas com 41,8 quilos por brasileiro/ano e carne suína (15 quilos).

TilápiaOriginaria da África, a tilápia chegou no pais em caráter experimental no século XIX, mas sua propagação aconteceu em 1970, quando o governo apostou na espécie para povoar os açudes da região Nordeste. Mas o mau manejo resultou em peixes pequenos com sabor de barro, que não agradaram o paladar do consumidor. A história começou a mudar à medida que o brasileiro foi especializou das técnicas de cultivo. Os piscicultores descobriram que para dar certo nas produções comerciais as fêmeas precisavam ser descartadas porque começam a se reproduzir a partir de dois meses e gastam muita energia nesse processo, o que resulta em pouco ganho de peso. O sucesso comercial faz contraponto à sustentabilidade.

Ambientalistas torcem o nariz para o sistema de reprodução e invocam inúmeros estudos que associam a criação de tilápias a riscos ambientais – da deterioração da qualidade da água à disseminação de diversos parasitas. O modelo de produção (em tanques-redes, instalados em lagos e rios) facilitaria o “contágio”. Para aumentar a produtividade, os peixes são alimentados com uma ração especial à base de cereais (como soja e milho) e hormônios de reversão
sexual durante os primeiros 20 dias de vida. Além de garantir o aumento de peso, essa alimentação transforma a maior parte da população de peixes em machos – que crescem quase três vezes mais do que as fêmeas.

O resultado da digestão dessa ração acrescido de outras substâncias utilizadas nos criatórios leva à concentração de resíduos na água que aumenta os volumes de nitrogênio e fósforo, desencadeando, eventualmente, o processo de eutrofização quando corpos d’água adquirem uma coloração turva ficando com níveis baixíssimos de oxigênio pela proliferação de algas, comprometendo, assim, a estabilidade do ecossistema aquático. Enquanto o debate esquenta a produção de tilápias cresce amparado em muitos fatores, a começar pela importância cada vez maior de uma alimentação saudável.

Solução do problema da qualidade da água

DB AquaE, para resolver o problema da qualidade da água, temos o DB Aqua, um produto a base de probiótico e biorremediador para piscicultura, que contribui com a melhora da qualidade da água, saúde e desempenho dos peixes. é um suplemente energético com aminoácidos essenciais e vitaminas, que auxiliam no metabolismo de peixes e camarões inclusive em todas as fases de desenvolvimento. Caso queira saber mais sobre esse produto e comprar ligue (19) 9.9811-2450 ou acesse Contato.

A Tilápia frequenta a mesa mais como receita especial do que algo trivial, servido por sua importância nutricional. A época da Páscoa em que se valoriza o bacalhau, é data comemorativa que justifica o preparo de receitas tradicionais. Apesar da riqueza em espécies e volume ofertados por nosso rios e uma gigantesca costa marítima, a proteína do peixe valorosa enquanto alimento nutricional de alta qualidade é consumida em poucas quantidades. Mas hoje isso está mudando e o aumento do consumo está associado a uma espécie “ianque”: a tilápia.

Você sabia?

Que o Brasil conta com 3 mil espécies de peixes dos quais um grande número com potencial para utilização dentro da piscicultura, como: dourado, jaú, matrinxã, piau, pintado, pirarucu e jundiá. A participação das espécies nativas na piscicultura é abaixo dos 20%, enquanto que na Ásia, onde está concentrada a maior produção mundial de peixes, é cerca de 95% e os cultivos estão baseados em espécies nativas daquele continente.

(FONTE: Anuário Brasileiro de Pesca)

Comer peixe faz bem?

Os peixes têm grandes quantidades de vitaminas do complexo B, A e D. Também são ricos em minerais como cálcio, fósforo, ferro, cobre, selênio e, no caso dos peixes de água salgada, iodo. São excelentes fontes de aminoácidos essenciais para o bom funcionamento do nosso corpo. Em comparação com outros tipos de carne, têm maior proporção de ácidos graxos poli-insaturados, dentre eles o ômega 3, responsável pelos maiores benefícios à saúde. Dentre eles estão a redução do risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC), de depressão, do Mal de Alzheimer e de morte por doença cardíaca. A substância também é importante na formação do cérebro dos bebês ainda na barriga. Por isso é altamente recomendável para as gestantes.

Veja em nossa página inicial algumas receitas fáceis e bem saborosas.

Informação Nutricional da T

Quantidade por 100 gramas

Calorias: 129

  • Gorduras Totais: 2,7 g
  • Gorduras Saturadas: 0,9 g
  • Gorduras Poliinsaturadas: 0,6 g
  • Gorduras Monoinsaturadas: 1 g
  • Colesterol: 59 mg
  • Sódio: 56 mg
  • Potássio: 380 mg
  • Carboidratos: 0 g
  • Fibra Alimentar: 0 g
  • Açúcar: 0 g
  • Proteínas: 26 g

Vitaminas

  • Vitamina A: 0 IU
  • Vitamina C: 0 mg
  • Vitamina D: 150 IU
  • Vitamina B6: 0,1 mg
  • Vitamina B12: 1,9 µg
  • Cálcio: 14 mg
  • Ferro: 0,7 mg
  • Magnésio: 34 mg

Compartilhe essa informação!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.